ENCERRANDO UM CONTRATO DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Por Rodrigo de Quadros Cury*

Considerando as dúvidas de empresários que, ao se depararem com o momento da extinção de um contrato de representação comercial, não tem uma boa noção das modalidades de encerramento e verbas devidas, inerentes a cada uma delas, objetiva este artigo trazer esclarecimentos acerca do que determina tanto a Lei Específica[1] que trata do tema, quanto o Direito Civil Contratual[2], a fim de facilitar sua melhor compreensão e auxiliar na revisão dos contratos futuros.

De fato, se a matéria não for bem entendida, pode trazer prejuízos a ambas as partes.

Seguindo a linha de doutrinadores modernos, como o Prof. Flávio Tartuce[3], se o contrato for por prazo determinado, seu encerramento natural se dará com o decurso do prazo sem renovação, ou seja, extingue-se ao término de sua vigência. Bem por isso que a primeira modalidade de encerramento possível é chamada de Execução Completa, e como o fim do contrato já era esperado, não sendo surpresa para as partes, não há imposição legal de qualquer indenização sobre as comissões recebidas durante a relação.

Noutro passo, se por prazo indeterminado, o encerramento do contrato de representação comercial dificilmente se dará por sua Execução Completa, sendo necessário que uma das partes, ou ambas, manifeste a intenção de encerrá-lo.

Objetivamente, tanto no contrato por prazo determinado, em que se intente a quebra antes do decurso do prazo, quanto no contrato por prazo indeterminado, se não for apresentado justo motivo para o fim do pacto, a hipótese se amolda na segunda forma de encerramento, denominada Rescisão por Resilição.

 Neste caso, se o contrato vigorou por mais de 6 meses, a parte que busca a Rescisão por Resilição deverá conceder aviso prévio, notificando a parte contrária com uma antecedência mínima de 30 dias, período em que a relação contratual deve correr normalmente.

Caso não se vislumbre a possibilidade de cumprimento do aviso prévio, ou simplesmente o aviso não queira ser concedido, por qualquer motivo que seja, o período de 30 dias deve ser substituído por indenização, equivalente a 1/3 das últimas 3 comissões recebidas pelo Representante. Referida multa encontra previsão no art. 34 da lei 4.886/65 e destaca-se, é alternativa à concessão do aviso prévio, não se somando a ele, caso seja cumprido.

Aí é que muitas das dúvidas se concentram, e para entender o porque de se pagar indenização mesmo concedendo aviso prévio, necessário se faz esclarecer que embora a multa do art. 34 de fato não se some ao aviso prévio, como já pontuado, há previsão legal de outra indenização, devida se o contrato é rescindido, cuja natureza de compensação pelo trabalho do Representante se justificada muito pelo fato de que o natural é o cliente angariado permanecer, mesmo após o encerramento do contrato de representação, mantendo relações com a Representada.

Trata-se de disposição inserta no art. 27, alínea “j” e § 1º da Lei 4.886/65, e se consubstancia na famosa indenização de 1/12 incidente sobre as comissões auferidas durante a relação, devendo ser paga, por óbvio, apenas se for da Representada a iniciativa da Resilição. Se o Representante é quem solicitou a Resilição, referida indenização não lhe é devida. Esclarecerei a forma como deve se dar o seu cálculo ao final deste artigo.

A terceira modalidade de encerramento do contrato que abordaremos é a Rescisão por Resolução, não se confundindo com a Execução Completa e nem com a Rescisão por Resilição. Trata-se da hipótese em que há justo motivo para o encerramento do contrato, ante o inadimplemento de alguma disposição contratual, podendo ser solicitada por qualquer das partes.

Caso a Resolução seja requerida pela Representante, esta fará jus a indenização de 1/12 prevista no artigo 27, alínea “j” da lei 4.886/65. Se pela Representada, ante o inadimplemento do Representante, nenhuma indenização a este é devida.

Os motivos que justificam a Rescisão por Resolução do contrato de representação comercial estão dispostos nos artigos 35 e 36 da Lei 4.886/65. Referido rol, contudo, não é taxativo, a exemplo de outros motivos, como a redução da comissão, se não prevista no contrato (ou autorizada pelo representante).

Ou seja, se há justo motivo para a Rescisão, trata-se de Resolução. Se não há justo motivo para o pedido de Rescisão, é caso de Resilição. Bem entendidas as diferenças, a quarta e última modalidade cabível é a Cessação, ocorrendo no caso de morte de uma das partes.

Como o contrato de representação comercial não se trata de uma obrigação personalíssima, a morte de uma das partes não gera a extinção do contrato de pleno direito, devendo ser analisada caso a caso. Via de regra, sendo extinta no caso de morte do Representante, a indenização de 1/12 deve ser paga aos herdeiros.

Por fim, se devida, a indenização prevista no art. 27, alínea “j” e § 1º da Lei 4.886/65 deve ser calculada da seguinte forma: a) se o contrato for por prazo determinado e houver sido rescindido antes do seu prazo final, deve-se somar todas as comissões mensais e dividir este total pelo número de meses de trabalho para se alcançar a média mensal. Então, multiplica-se este valor pela metade do número de meses de todo o prazo contratual; b) se o contrato for por prazo indeterminado, deve-se somar todas as comissões percebidas durante o contrato e dividir por 12, isto porque a indenização é o equivalente a 1/12 do total de comissões percebidas durante o contrato.


*Rodrigo de Quadros Cury é advogado graduado pela UniCuritiba


[1] Lei 4.886/65 com as alterações introduzidas pela Lei 8.420/92.

[2] Lei 10.406/02, artigo 472 e seguintes.

[3] TARTUCE, Flávio. Direito Civil, v.3: Teoria geral dos contratos e contratos em espécie; 10ªed. Rev. Atual. E ampl. São Paulo: Método, 2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *